domingo, 21 de outubro de 2012

a casa do Clodovil em Ubatuba

Ontem de manhã meu marido e eu resolvemos sair de Paraty para passear e almoçar em Ubatuba. No caminho, decidimos passar na praia do Léo para visitar a casa de praia do Clodovil. Lembrando que além de estilista, Clodovil foi um dos deputados  federais mais votados no estado de São Paulo em 2006.
Decidimos parar na mansão porque neste final de semana ela está aberta ao público interessado em comprar móveis, louças, quadros, livros ou alguma estatueta de sapo da coleção do figurinista.  Um bazar, do tipo "família vende tudo."
 A casa está situada no meio da Mata Atlântica, em cima de um morro, uma visão estonteante da natureza. Como não era permitido subir de carro até lá, o jeito foi esticar as pernas na subida -- uma bela caminhada apreciando as árvores e o paisagismo.
Temíamos um programa infeliz, com gente demais, talvez até um pouco de tumulto. Boa surpresa: havia poucas pessoas quando chegamos, nem foi preciso enfrentar fila, talvez por ser distante da cidade ou porque houve pouca divulgação da venda. A foto acima mostra a "sala azul" com obras originais de pintores brasileiros famosos como Scliar, Aldemir Martins e outros.  A curiosidade se aguçou -- foi ótimo andar por tanta sala e quarto sem dono (oito suítes).
Achei sobretudo interessante esta sala de estar com chão singular:  sem piso industrializado, os pés na areia fofa da praia.  Quando o dono da casa era vivo, mandava os empregados desenharem "ondas"  na areia trazida da beira-mar.
Outra peculiaridade - os cômodos da mansão são "desmembrados" -- cada vez que se muda de ambiente é preciso passar por jardins internos, olha só as jabuticabeiras fazendo parte da casa, entre a sala e a cozinha.  Mesmo sem cuidados os espaços verdes ainda são deliciosos --  a vista sempre encontra árvores, plantas ou mar.
Na decoração,  a mistura do clássico com o rústico. O teto revestido de palha esconde os caibros do telhado
um dos terraços da residência com vista para a Praia do Leo
... e até uma capelinha, quase em ruínas, uma graça, no meio das árvores
compramos alguns objetos de boa qualidade por precinhos de bazar -- a melhor aquisição foi um par de panelas de cobre made in france
esta moringa artesanal, assinada por "nica"
e alguns outros poucos objetos de cozinha como a travessa de porcelana com suporte de ferro pintado. Havia serviços de louça belíssimos, foram comprados por donos de restaurantes de São Paulo.

Escrevo agora quase dois anos depois que estivemos na casa do Clodovil. A data no calendário marca 18.8.2014. Àquela época, eu não sabia que este post despertaria tanto interesse;  é um dos mais procurados aqui do blog, com quase 7 mil acessos. Ontem à noite, organizando meu banco de imagens encontrei mais algumas fotos da casa. Imediatamente decidi trazê-las para cá. Esta do quarto salmão, a memória não ajuda... Não sei dizer com precisão se era o quarto da mãe do Clodovil ou se era um quarto de hóspedes comum. A cama já estava se deteriorando, como é possível perceber. A roupa de cama e as cortinas de renda estavam ainda em bom estado.

Um recanto do  jardim  decorado com plantas em vasos e espelho de água.
As esculturas modernistas ficavam na beira da piscina, de frente para o mar. Lindas! Gostaríamos de tê-las comprado, mas eram caras.
  A vista para o mar era belíssima, assim como para a mata. Um lugar esplêndido.

10 comentários:

Danian Dare disse...

Boa Noite, já tinha visto essa postagem um pouco depois do bazar. Gostei muito pela sua descrição da casa e pelas suas fotos. Sou autor de um blog dedicado à memoria do Clodovil: http://clodovilmemoriabrasil.blogspot.com.br/2013/08/e-marilu-martinelli-vestiu-se-de.html
Gostaria de saber se você possui mais fotos da casa e se as disponibilizaria para mim. Tenho a intenção de criar uma página no Facebook para manter a memória dessa casa que deveria ter sido convertida em museu para a cidade de Ubatuba, as suas fotos me ajudariam nesse projeto. Aguardo a sua resposta e muito obrigado por essa postagem.

Azeitão disse...

Estou sempre buscando notícias sobre a mansão do Clodovil, torço pra que não seja demolida, o que seria uma dó. Pois, deve ter outras mansões na mesma situação e nem se quer cogitam o mesmo destino. Tomara que seja mesmo um museu, pois quero visitá-lo quando isso tornar realidade...

Ricardo Freitas disse...

Alguem sabe se é possível a visita a casa ainda? Estou de férias agora em maio r gostaria de conhecer..

olimpia disse...

Ricardo, creio que não. À época, estava acontecendo o leilão dos móveis. Por outro lado, se você vai passar por Ubatuba, não custa tentar, fica na estrada que vai para Paraty.
Boa sorte,

Ricardo Guimaraes disse...

Estava de férias no mês de maio em caraguatatuba e fui até Ubatuba a procura da casa do Clodovil q tantas vezes vi pela TV,sabia q ficava na praia do leo e tive dificuldade em encontrar,mas consegui com a ajuda de uma senhora q foi ate lá na época do bazar.Infelismente já na entrada da casa q fica bem na rodovia rio santos em um condomínio,vizinhos q moram ali um tanto grosseiros já tentavam me desanimar dizendo q era proibida a entrada e a visita a casa mas insisti em falar com o caseiro e tbm foi grosso ao me atender e só dizia q era proibida a entrada e não sabia de nenhuma informação sobre uma possível visita.Estranhei MT o barulho de vozes de crianças e agua possivelmente vindas da piscina de Clodovil q ao ver a entrevista ao programa do Amaury percebi q fica logo atrás do muro onde esta o grande sapo na entrada q foi onde consegui chegar. Com certeza eram parentes do caseiro q hoje são os únicos q tem acesso a casa,enquanto nós do público em geral não podemos ao menos ver de perto a casa mais famosa de Ubatuba como era da vontade do próprio Clodovil,foi lamentável minha ida a Ubatuba e meu encontro com o caseiro q cuida da mansão,espero q algum dia possamos visitar a mansão e a história desse artista sem impedimentos de vizinhos e de pessoas oportunistas como esse caseiro q esta lá desfrutando com a familia da piscina do Clodovil como se fosse dele afff

olimpia disse...

Ricardo Guimarães, apesar de morar em Paraty e passar em frente à entrada da casa do Clodovil com alguma frequência, nunca mais tentei entrar lá, após o leilão dos móveis e objetos.
Sim, o grande sapo de cerâmica está bem próximo à entrada da casa. Talvez a falta de permissão para visitar a mansão seja até por questão de segurança. Quando estive lá, já havia uma área interditada, sujeita ao desabamento. Infelizmente, a conservação do local não estava sendo feita. Bem que poderia se tornar uma casa-museu, não é?
Uma pena, mesmo.
Abraços

Anônimo disse...

Ola sr Ricardo. Entendo sua indignação de não poder entrar na mansão. Ao mesmo tempo acho muito tendenciosa suas afirmações mesmo porque já conversei com o caseiro e fui muito bem atendido e as informações que obtive dele foi q as ordens da advogada e responsável da mansão são bem claras em relação a visitantes. e que digno de passagem no período de temporada a quantidade de curiosos é muito grande e que já ouve varias tentativas de invasão. Hoje o caseiro como pedido da responsavel mora no quarto de visitas e ele pode usufruir da piscina e cômodos.acredito que tais afirmações que o sr propõem em sua postagem precisam vir de dados mais concretos e que devemos tomar mais cuidados com expressões publicas.não só porquê ele era uma pessoa pública que seus bens tbm são!

Márcio Ferrari disse...

Onde fica a casa, não consigo localizar

Anônimo disse...

Brasil, país medíocre. Nem conseguiram sequer transformar a belíssima Casa de Ubaruba em museu. Tudo burocrático e difícil e olhem que a casa fica no estado mais rico da federação, imagino situação similar nos demais. Preferem deixar a mansão vir a ruínas. Um museu com a história desse célebre estilista,grande personalidade brasileira seria muito interessante. Mais por aqui não, isso aqui é a terra do descaso e do descompromisso com tudo no geral. Gente sem cultura e educação, país atrasado.

Anônimo disse...

Foi determinada pela Justiça a demolição de um pedaço da mansão do estilista Clodovil Hernandes, em Ubatuba, com vista estupenda para o mar. Parte da construção avançou, de forma irregular, em uma área de proteção ambiental. “Teremos de pôr no chão a suíte principal, a cozinha, o banheiro e o canil”, diz Maria Hebe Pereira de Queiroz, advogada do espólio. “Ao todo, devemos gastar em torno de 400 000 reais com isso.” Tudo deve ser realizado até o fim deste ano. O que restar da propriedade, localizada em um terreno de 3 200 metros quadrados, irá a leilão. A expectativa é que a arrecadação chegue a 1 milhão de reais. Esse dinheiro vai engordar uma conta que será usada no futuro para quitar as pendências do estilista. Uma delas se refere a uma indenização à senadora Marta Suplicy, no valor de 286 000 reais. Em 2004, durante o seu programa na RedeTV!, Clodovil alfinetou pesadamente a então prefeita. “Inculta. Só fala de sexo, ovário, útero, orgasmo, essas coisas”, afirmou. Marta acionou a Justiça e ganhou o processo.